central de vendas
central de vendas
21 2042-0671
 
corretor online
 
Vendas por
e-mail
 
Portal do cliente mdl

Blog MDL
Acompanhe todas as informações
sobre o mercado imobiliário

Blog MDL

Mercado Imobiliário
26 de fevereiro de 2018

6 Dicas para escolher um imóvel na planta

6 Dicas para escolher um imóvel na planta

Para quem quer comprar o primeiro imóvel, ou está pensando em trocar de apartamento, mas quer fazer um bom investimento com calma e planejamento, optar um empreendimento na planta pode ser a melhor opção. No entanto, alguns cuidados devem ser tomados antes, durante e depois do processo de aquisição, para se proteger de futuros imprevistos.  

Defina os critérios

Comprar um apartamento na planta é um negócio que requer uma análise atenta de suas necessidades, expectativas e realidade financeira nos próximos anos. A região onde deseja morar, o número de dormitórios, a metragem do imóvel e a infraestrutura que busca em um condomínio devem ser levados em consideração de acordo com a sua situação atual e a longo prazo. Isso porque um empreendimento na planta demora, em média, de dois a três anos para ficar pronto, ou seja: muita coisa pode mudar neste período. Então, tenha em mente o seu planejamento familiar, profissional e pessoal para os próximos anos.

Pesquise e investigue

Existem riscos como atrasos ou outros impedimentos que colocam em cheque a segurança de quem opta por um apartamento na planta. Por isso, antes de tudo, pesquise muito! Veja o histórico da incorporadora, busque e avalie referências sobre ela, conheça empreendimentos já construídos, verifique se não há nenhuma ação contra a empresa para checar sua credibilidade e comprometimento. Essas ações garantem que o sonho de seu imóvel se concretize sem surpresas desagradáveis. Investigue, ainda, se a planta do apartamento foi aprovada junto à prefeitura, se a construção tem alvará e se foi registrada no Cartório de Registro de Imóveis.

Customização da planta

Uma grande vantagem de comprar na planta é a possibilidade de personalização. Dependendo da incorporadora, é possível solicitar algumas modificações na planta do apartamento, dentro das limitações do empreendimento. Derrubar paredes para ampliar um cômodo, como a sala de estar, ou quebrar a cozinha para transformá-la em americana são alguns exemplos. Em muitos casos ainda é possível escolher o tipo de piso, instalações de bancadas, azulejos, entre outros detalhes de revestimentos. Além disso, como a parte elétrica, hidráulica, estrutura e o acabamento são bem recentes, provavelmente só precisarão de ajustes a longo prazo.

Negociação do apartamento

O imóvel costuma ter um preço mais baixo comparado ao pronto e você pode obter descontos no período de lançamento. Em geral, optando pelo pagamento à vista, existe a possibilidade de uma boa negociação de preço final, como também da entrada, do percentual mínimo a pagar da parcela e no valor das parcelas intermediárias, que podem ser trimestrais, semestrais ou anuais.

Na maioria da vezes é possível pagar cerca de 30% do valor do imóvel até a entrega das chaves e dividir o restante com a própria incorporadora ou por meio de um financiamento com uma instituição bancária. O financiamento costuma ser feito mediante o pagamento de entradas de cerca de 10% a 20% do valor do imóvel, enquanto que, para os empreendimentos na planta, essa taxa sobe para 30% e o restante deve ser quitado em até 35 anos. O FGTS pode ser um recurso para a obtenção de crédito. Para isso, é preciso ter contribuído pelo menos três anos, além de não ter nenhum financiamento já ativo e nem ser dono de outro imóvel.

Faça as contas para entender qual será o valor que vai pagar pelo apartamento. Em alguns casos, se houve um planejamento maior, talvez seja mais vantajoso dar uma entrada maior ou pagar parcelas maiores para evitar os juros do financiamento.

Documentação detalhada

Como qualquer compra de bem, é preciso ter paciência e calma para ler diversos documentos importantes e que poderão servir como prova para qualquer problema que possa surgir futuramente. Entre eles estão a minuta de contrato, que dá detalhes sobre condições de pagamento, valores, informações sobre a unidade adquirida e prazo de entrega. Há cláusulas que contemplam os direitos e deveres do proprietário e da incorporadora; o memorial descritivo, que contém todos os dados sobre os materiais que serão usados no condomínio, tanto no apartamento como também nas áreas comuns. Dependendo do empreendimento, já é possível ter acesso à convenção de condomínio, que contempla as regras para garantir o bom convívio de todos os moradores.

Fiscalize a obra

Comprado o apartamento, mesmo na planta,  é necessário fazer uma visita ao local onde ele será construído para conhecer melhor a região e acompanhar constantemente o andamento da obra. Outra dica é guardar todos os materiais publicitários do imóvel entregues durante a compra, além daqueles que são distribuídos no entorno. Tudo isso é fundamental e pode servir de garantia na hora de fazer a vistoria de seu apartamento.


Desenvolvido por Noblind